Entre o sujo e o mal lavado

Na reta final da campanha pra presidente é que os candidatos colocam as manguinhas de fora. É acusação pra lá e pra cá, apelação, fingimento, encenação e cinismo pra tudo que é lado. Baixo nível mesmo. Os candidatos só não colocam a mãe no meio porque não compensa. Afinal, ela prestava menos que seus filhos, já que deu a luz a eles.

Mas o pior de tudo não é a encenação que os candidatos promovem pra convencer o eleitor. Pior é ver que a Dilma tem toda razão em dizer que o Serra não presta.

Um sujeito que nega suas origens partidárias, promete cumprir seus mandatos até o fim mas larga todos no meio, é dissimulado, cínico e frágil a ponto de cair com uma bolinha de papel, certamente não pode representar um país!

Ao mesmo tempo, Serra está mais do que certo em desmascarar a Dilma. Afinal, ela fala uma coisa e faz outra, se contradiz o tempo todo e se faz de inocente, sabe de tudo mas desconversa, e além de estar pegando carona numa onda que não é sua, tem por trás de si o apoio de uma quadrilha com a qual eu não ficaria sozinho no mesmo elevador nem a pau!

Um bando que tem Palocci, Zé Dirceu, Erenice, Collor, Jose Sarney, José Genoino, Marta “relaxa e goza” Suplicy, Michel Temer, só pra dizer alguns, além de mensaleiros, cuecas recheadas de dinheiro, aloprados e muito mais.

O que acontece é que nunca na história dessa eleição os candidatos foram tão honestos com o eleitor. Ou seja, é verdade que a Dilma não presta, o Serra não vale o que come e os dois estão certos. O problema é que, como sempre, a gente continua ferrado.