Sobrevivendo à secura

Não é a primeira vez neste ano que o paulistano apressado, cheio de doenças respiratórias e tosse seca se vê na secura total.

E cá entre nós, o mês de agosto não tá ajudando. A poluição e o tempo também não: a umidade relativa do ar chegou a bater desesperadores 17% na região de Santana.

É muita secura. O que obriga o paulistano a duas coisas: tomar muita água e não abrir mão das preliminares.